Notícias

04/11/2016 - Dicas de poemas brasileiros para ler com crianças

"Crianças são poetas por natureza". A frase é de Carlos Drummond de Andrade. O poeta faz uma observação certeira sobre o que é ser criança: fazer das palavras brinquedo, brincar com as sonoridades, significados e ritmos daquilo que dizemos. Em seus voos de invenção e fantasia, a criança apreende o mundo à sua maneira e faz poesia sem perceber. Afinal, como diria Manoel de Barros, "poesia é voar fora da asa".

Para provocar ainda mais esse dom natural dos pequenos, ler poesia com e para eles, mais do que um momento para ficar na memória, é estabelecer vínculos emocionais e estimular desde cedo a relação de interesse e curiosidade com a linguagem literária em sua forma mais solta.

1. O Menino Azul – Cecília Meireles

"O menino quer um burrinho
que saiba dizer
o nome dos rios,
das montanhas, das flores,
– de tudo o que aparecer.

O menino quer um burrinho
que saiba inventar histórias bonitas
com pessoas e bichos
e com barquinhos no mar."

2. Pontinho de Vista – Pedro Bandeira

"Eu sou pequeno, me dizem,
e eu fico muito zangado.
Tenho de olhar todo mundo
com o queixo levantado.

Mas, se formiga falasse
e me visse lá do chão,
ia dizer, com certeza:
— Minha nossa, que grandão!"

3. A porta – Vinicius de Moraes

"Eu sou feita de madeira
Madeira, matéria morta
Mas não há coisa no mundo
Mais viva do que uma porta.

Eu abro devagarinho
Pra passar o menininho
Eu abro bem com cuidado
Pra passar o namorado
Eu abro bem prazenteira
Pra passar a cozinheira
Eu abro de supetão
Pra passar o capitão."

4. Poeminha do Contra – Mario Quintana

"Todos estes que aí estão
Atravancando o meu caminho,
Eles passarão.
Eu passarinho!"

5. O Direito das Crianças – Ruth Rocha

"Toda criança no mundo
Deve ser bem protegida
Contra os rigores do tempo
Contra os rigores da vida."

6. A Lua foi ao Cinema – Paulo Leminski

"A lua foi ao cinema,
passava um filme engraçado,
a história de uma estrela
que não tinha namorado.

Não tinha porque era apenas
uma estrela bem pequena,
dessas que, quando apagam,
ninguém vai dizer, que pena!"

7. Guarda-chuvas – Rosana Rios

"Tenho quatro guarda-chuvas
todos os quatro com defeito;
Um emperra quando abre,
outro não fecha direito.

Um deles vira ao contrário
seu eu abro sem ter cuidado.
Outro, então, solta as varetas
e fica todo amassado."

8. A Centopeia – Marina Colasanti

"Quem foi que primeiro
teve a ideia
de contar um por um
os pés da centopeia?

Se uma pata você arranca
será que a bichinha manca?"

9. Canção para ninar dromedário - Sérgio Capparelli

Drome, drome
Dromedário

As areias
Do deserto
Sentem sono,
Estou certo.

10. Convite – José Paulo Paes

Poesia
é brincar com palavras
como se brinca
com bola, papagaio, pião.

Só que
bola, papagaio, pião
de tanto brincar
se gastam.

As palavras não:
quanto mais se brinca
com elas
mais novas ficam.

Um projeto Sinduscon RN e IDE.

Observatorio da Educação (c) 2012 - Todos os os direitos reservados