Notícias

06/10/2016 - Ministro do Esporte defende educação física obrigatória no ensino médio

A proposta do Ministério da Educação de retirar a obrigatoriedade da educação física no ensino médio vem sofrendo resistência até mesmo dentro do próprio governo. Nesta quarta-feira, o ministro do Esporte, Leonardo Picciani, concordou com a necessidade de reforma da grade curricular educacional, mas defendeu a manutenção da disciplina ligada à prática esportiva. 

- Minha posição, enquanto ministro do Esporte e deputado federal licenciado, é na defesa da permanência da educação física como matéria curricular obrigatória - afirmou Picciani durante audiência pública na Câmara dos Deputados para tratar sobre legado da Olimpíada Rio 2016.

A polêmica em torno do tema começou no último dia 22 de setembro, quando o presidente Michel Temer assinou a medida provisória que trata da reforma do ensino médio. Entre as mudanças, está a possibilidade de transformação de educação física, artes, filosofia e sociologia em disciplinas optativas. O texto da MP está em tramitação no Congresso e se tornará lei se aprovado em até 120 dias.

Leonardo Picciani admitiu ser contra o que está proposto na MP após a questão ser bastante criticada por deputados durante a audiência pública desta quarta. O ministro, porém, fez questão de defender o governo federal e se declarar um entusiasta da reforma do ensino médio.

- É inegável que se precisa de uma reforma e afirmo aqui, como membro do governo, que não houve nenhuma intenção do governo em perseguir ou diminuir a educação física (...). É importante trazermos uma reforma que modernize, aumente o interesse, que torne (o ensino médio) mais contemporâneo. Dentro dessa perspectiva, nos cabe, pela importância que identificamos no esporte, no poder transformador do esporte, pelo momento que vivemos após sediar o maior evento esportivo do mundo, falar da nossa posição de manutenção da educação física como disciplina fundamental e obrigatória. E quero ir além. A efetividade da prática não é uma questão curricular. Não creio que devemos parar por aí. Devemos avançar levando a oferta de fato ao conjunto completo dos estudantes, seja com a presença de profissionais de educação física ou com a oferta de equipamentos e modalidades esportivas - completou o ministro.

Um projeto Sinduscon RN e IDE.

Observatorio da Educação (c) 2012 - Todos os os direitos reservados