Notícias

04/07/2016 - Os professores de Língua Portuguesa são os únicos responsáveis pela alfabetização dos estudantes?

Não, a alfabetização não é uma preocupação exclusiva dos docentes de Língua Portuguesa. Um em cada cinco estudantes brasileiros chega ao 3º ano do Ensino Fundamental sem atingir os níveis mínimos de alfabetização considerados adequados em leitura e escrita. O problema segue pelos anos seguintes e os professores do Fundamental II nem sempre se sentem preparados para lidar com isso.

O equívoco de muitos professores é pensar que a leitura e a escrita são conteúdos específicos do currículo de Língua Portuguesa. É comum ouvir que “eles não dão conta e agora querem que a gente pare nossa matéria para ajudar”. Assim, os licenciados de outras áreas tendem a resistir e argumentam que terão prejuízo no cumprimento dos conteúdos específicos das suas áreas.

A literatura especializada aponta, no entanto, que a leitura e a escrita constituem-se em ferramentas essenciais para os estudantes apropriarem-se de conteúdos das demais áreas, podendo ser assumidos como conteúdos de ensino e de aprendizagem a partir de uma postura interdisciplinar dos docentes. O planejamento e a intervenção, independente da área de conhecimento, devem assegurar que os estudantes realizem, com progressiva autonomia, comportamentos como ler, grifar, tomar notas de textos escritos e orais, pesquisar e elaborar resumos e resenhas para estudar; bem como produzir seminários e debates para compartilhar conhecimentos e pensar temáticas contemporâneas. Delia Lerner tematizada esse trabalho interdidátido aqui e o conteúdo pode servir como objeto de reflexão para a prática.

Além da abordagem integrada das práticas de linguagem em contextos de estudo, o projeto pedagógico deve reconhecer as especificidades da alfabetização nas diferentes áreas de conhecimento e dar visibilidade a ela no currículo. Não se lê um mapa ou um croqui como se lê um enunciado de problemas matemático ou se aprecia uma obra de arte; não se elabora um relatório de experimento científico como se elabora uma tabela ou gráfico de barras. Nesse sentido, é preciso ensinar diferentes modos de ler, escrever e comunicar saberes que demandam uma atuação intencional e estratégica dos docentes para além das aulas de Língua Portuguesa. (Nova Escola)

Um projeto Sinduscon RN e IDE.

Observatorio da Educação (c) 2012 - Todos os os direitos reservados