Notícias

02/02/2016 - Por que e como devemos envolver pais e responsáveis na escola

Por * Maura Barbosa

Antes de pensar nas providências mais práticas, proponho um resgate de alguns instrumentos legais que embasam toda a nossa prática. O primeiro deles é a Constituição Federal. Está lá, no capítulo 3, que: “A Educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho.”

O Plano Nacional da Educação (PNE) em vigor também reconhece a importância da aproximação da escola com as famílias, pois amplia a concretização da gestão democrática nas escolas públicas. A meta 19 prevê prazo de dois anos para que toda a rede de Educação Básica constitua ou fortaleça grêmios estudantis e associações de pais.

Finalmente, o estudo Interação Escola Família: Sibsídios para Práticas Escolares, realizado pela Unesco, em parceria com o Ministério da Educação (MEC), elege como prioridade a recuperação da singularidade do aluno, passando a vê-lo em um contexto mais amplo, fora do ambiente escolar.

Portanto, este momento em que a escola se reaproxima das famílias e integra aquelas que estão chegando é fundamental e os documentos que citamos acima podem servir de inspiração para que você e sua equipe planejem as primeiras reuniões com os pais.

Para começar a esboçar o encontro com esse público prioritário para o sucesso da aprendizagem, sugiro que você reveja as metas estabelecidas para estes semestres e o balanço do ano anterior e avalie o que, nesse universo, pode ser compartilhado com os pais e responsáveis. Não adianta reduzir a reunião a um espaço burocrático, focado apenas em listas de materiais, uniformes etc. Seu desejo tem de ser o de envolver os pais na gestão escolar e, para isso, é necessário ter canais de participação bem definidos.

Se a escola possui o Conselho Escolar, por exemplo, garanta que um representante dele vá até a reunião, apresente o órgão e fale sobre como os outros responsáveis podem participar. Apresente, sim, documentos como o Regimento escolar, mas já explique que eles precisam ser atualizados e mostre um calendário para que quem quiser participe dessa revisão coletiva.

Finalmente, lembre-se que este será apenas o primeiro encontro com os responsáveis. Portanto, não pode, nem deve ser o único contato entre vocês.

Estabeleça como princípio desse relacionamento que as famílias consigam incorporar a Educação escolar no seu cotidiano e se envolvam desde atitudes simples, como assegurar que as crianças não faltem sem motivo.

Com esses cuidados, você terá parceiros valiosos!

*Consultora de Gestão Escolas e coordenadora pedagógica de gestão na Comunidade Educativa Cedac

Um projeto Sinduscon RN e IDE.

Observatorio da Educação (c) 2012 - Todos os os direitos reservados