Notícias

20/07/2015 - Nove em 10 brasileiros têm em mente profissão para os filhos

Se o seu pai sonha em ver você se tornando um médico, engenheiro, ou fazendo uma carreira pública, não se incomode: 90% dos pais brasileiros têm em mente uma ocupação específica para os seus filhos, indica levantamento.

A pesquisa “Valor da Educação - Aprender Para a Vida”, divulgada globalmente pelo HSBC, mostra o que pensam os pais sobre o futuro profissional de seus herdeiros e, por aqui, nove em dez preferem que eles sigam carreiras com base científica.

Medicina e Engenharia lideram as preferências, com 23% e 18% da amostra, respectivamente. A carreira pública também se mostrou popular, citada por 10% dos brasileiros.

A formação de nível superior é essencial na opinião de 89% dos pais no Brasil, sendo que 63% acreditam também na necessidade de uma especialização, contra 79% do índice global.

A pesquisa foi realizada nos últimos meses de março e abril, com 5.550 entrevistados, em 16 países e territórios.

Investimento em educação 

Apesar de a maioria dos brasileiros (89%) reconhecer o diploma universitário como algo essencial para seus filhos atingirem metas importantes na vida, grande parte ainda enxerga a educação de nível superior como um investimento alto.

Sete em cada dez brasileiros consideram a universidade inacessível para a maioria das pessoas. Globalmente, 79% dos entrevistados apontaram a importância da formação acadêmica, enquanto que 58% consideram-na inacessível.

Os pais também estão dispostos a ajudarem os filhos nesta etapa da vida, sendo que 88% se prontificam a contribuir para os gastos com a universidade, diante de 95% da média global.

Além disso, 63% dos brasileiros consideram que uma pós-graduação é a qualificação mínima exigida para o seu filho alcançar os objetivos mais importantes na vida.

No entanto, 40% dos brasileiros acreditem que a geração de seus filhos terá mais dificuldade que a sua para encontrar um emprego depois de concluírem a formação superior.

Fonte: Portal Terra


Um projeto Sinduscon RN e IDE.

Observatorio da Educação (c) 2012 - Todos os os direitos reservados