Notícias

07/05/2013 - Observatório da Educação do RN mapeia índices do analfabetismo nos municípios do estado

O Rio Grande do Norte ocupa a 23º posição entre os estados da federação com taxa de analfabetismo mais alta. Um dado preocupante que precisa ser analisado agora em 2013, período em que comemoramos no cenário potiguar o "Ano Paulo Freire da Educação", decretado pelo Governo do Estado. Os dados completos, estão sendo disponibilizados pelo www.observatoriodaeducacaodorn.org.br e consideram os censos de 1991, 2000 e 2010 nos 167 municípios do RN.

O relatório do Observatório da Educação do RN avalia que essa posição negativa de destaque no analfabetismo do Brasil é resultado dos baixos investimentos na educação de base e ausência de políticas públicas eficazes em diversas cidades potiguares. O levantamento mostra que 34 municípios do estado tem taxas de analfabetismo, em 2010, entre 30% e 39%. Além disso, nenhum desses municípios conseguiu decréscimo acima de 49%, quando comparadas as três edições do censo. 

Apenas dois municípios do RN tem taxas, em 2010, menores do que 10%. São eles: Natal e Parnamirim.  "Quantos anos vamos precisar para zerar a taxa de analfabetismo dos nossos municípios se continuarmos no mesmo ritmo e mantendo as mesmas políticas públicas e programas?", alerta a diretora executiva do Instituto de Desenvolvimento da Educação, Cláudia Santa Rosa e coordenadora do estudo.

O objetivo da compilação de informações é contribuir para o planejamento de políticas públicas na área de educação e que tenham por meta zerar a taxa de analfabetismo. Ter acesso aos dados, compará-los e significá-los no âmbito de um planejamento é um dos passos mais importantes para avanços nos resultados, segundo o relatório.

A metodologia de coleta foi organizada em três etapas: 1ª etapa: Tabulação das taxas de analfabetismo do estado e cada um dos seus municípios, por ano, nos três últimos censos (1991, 2000 e 2010 ); 2ª etapa: Cálculo da diferença relativa (%) para conhecer os decréscimos em 20 anos (Para os municípios criados mais recentemente foram considerados os últimos 10 anos) e 3ª etapa: produção de análises e recomendações, considerando os municípios com taxas de analfabetismo mais baixas, com taxas abaixo de 20%, taxas mais altas, decréscimos em alguns intervalos, entre outras.

O relatório do Observatório conclui pela necessidade de avaliação dos gestores públicos sobre os programas e projetos de combate ao analfabetismo que implementam nas últimas décadas; Ações integradas entre o poder público e a sociedade civil para acelerar o ritmo do combate ao analfabetismo, considerando o baixo decréscimo nos últimos 20 anos e maiores investimentos na alfabetização das crianças. 

CLIQUE AQUI para ter acesso ao Relatório e AQUI às planilhas com todos os dados. 

Um projeto Sinduscon RN e IDE.

Observatorio da Educação (c) 2012 - Todos os os direitos reservados