Notícias

23/04/2013 - MBL lançou o “Coletivo Canto de Página”, um núcleo potiguar comprometido com a promoção da leitura

Fonte: Assessoria de Imprensa do IDE
 
 
O Rio Grande do Norte é o primeiro estado no país com um núcleo do Movimento por um Brasil Literário (MBL). O “Coletivo Canto de Página” será um núcleo de promoção de políticas públicas do livro e leitura e para disseminar a importância de formação de uma sociedade leitora. O lançamento ocorreu no dia 18 de abril – Dia Nacional do Livro Infantil.
 
O evento aconteceu na ocasião do “1º Encontro Potiguar do Movimento por um Brasil Literário”, “3º Encontro do Fórum Estadual do Livro, da Leitura, Literatura e das Bibliotecas” e “15º Encontro do Fórum Potiguar de Escolas Leitoras”. 
 
A diretora executiva do IDE, professora Cláudia Santa Rosa é associada fundadora da organização nacional responsável pela gestão do MBL. “Trabalhamos muito para concretizar esse núcleo e acreditamos na persistência das instituições envolvidas, na busca da formação de uma sociedade leitora”, disse Cláudia Santa Rosa. A diretora executiva do IDE lembrou ainda que há muitas metas a serem atingidas para que o RN melhore seus índices educacionais e de leitura. “Infelizmente a situação do RN, no que diz respeito à rede estadual de ensino, é de uma composição descontinuada da rede de escolas leitoras, iniciativa que vinha sendo implementada desde 2007', completou.
 
O Encontro debateu, ainda, a urgência nos processos de elaboração dos planos municipais e estadual do Livro, da Leitura, da Literatura e das Bibliotecas, à luz do plano nacional. “Estamos no diálogo com os municípios para que os gestores deflagrem as etapas de elaboração dos seus planos”, explicou Cláudia.
 
A abertura oficial do núcleo contou com participações importantes como a de Ninfa Parreiras– Mestre em literatura comparada pela Universidade de São Paulo; psicanalista e assessora da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil – que coordena o grupo de trabalho de formação de núcleos do MBL. “A literatura é adaptável e universal. O encontro dos coletivos e sociedade podem ecoar pela cultura de formação de leitores”, afirmou.
 
Além dela, estiveram presentes, também, Roberto Azoubel (Recife, PE) - assessor técnico na Representação Regional Nordeste do Ministério da Cultura (RRNE/MinC), Mileide Flores (Fortaleza, CE) – Representante do Fórum Cearense do Livro, Leitura e Literatura, Ana Santana (Natal, RN) – Mestre e doutora em Literatura Comparada pela UFRN, Junior Souto – assessor da Frente Parlamentar Nacional do Livro e Leitura; Jeane Dantas, representante da Undime/RN; professora Judineide, secretária adjunta da Secretaria Municipal de Educação de Natal, vereadora Eleika Bezerra – Presidente da Frente Parlamentar em Defesa do Livro e da Leitura da da Câmara Municipal de Natal; o deputado Fernando Mineiro – autor da Lei estadual do Livro Henrique Castriciano; vereadores (as) Júlia Arruda, autora da Lei do Livro, Bertone Marinho e Hugo Manso.
 
 
Sobre o Canto de Página
 
O núcleo do RN do MBL se chamará “Canto de Página”, em homenagem a uma importante obra de Diva Cunha, poetisa do RN. Trata-se de um coletivo composto por professoras representantes do Instituto de Desenvolvimento da Educação (IDE), UnP, UERN, UFRN, IFESP e IFRN, mas a partir de agora está aberto para receber novas adesões. 
 
Para o engajamento dos municípios no núcleo e em outras ações de formação conduzidas pelo IDE, os representantes das secretarias municipais receberam kits com material educativo e diretrizes para o engajamento na rede de escolas leitoras.
 
 
Planos do Livro, da Leitura, Literatura e das Bibliotecas
 
A elaboração dos planos de educação no estado e municípios foi amplamente discutida durante o encontro, sempre trazendo a perspectiva da construção coletiva e compartilhadas por órgãos públicos e sociedade civil. Na abertura dos debates a mestre e doutora em literatura, a professora Ana Santana falou sobre a relação entre os planos e a formação de um Brasil de leitores. “Uma luta está ligada a outra. A leitura e educação é um direito de todos, constituindo-se um exercício de liberdade e expressão”, explicou.
 
Cláudia Santa Rosa ressaltou a necessidade de adesão dos municípios ao plano. “Cada cidade precisa implantar políticas de promoção da leitura e alterar, por meio de seus planos, positivamente, seus indicadores educacionais”, disse. 
 
Roberto Azoubel, do Ministério da Cultura, destacou que “não se pode separar a educação da cultura na missão de formar leitores”. “Somos orientadores dos estados e municípios em relação às políticas públicas e implantação do plano, mas cada cidade tem de fazer sua parte e não esquecer que a sociedade civil organizada e representantes das cadeias produtiva, criativa e mediadora do livro e da leitura não podem ficar de fora do grupo de trabalho de elaboração”, lembrou.
 
Para Mileide Flores, é preciso haver um fundo municipal de leitura e políticas de gestão de formadores de leitores. “Não podemos esquecer o peso da participação da sociedade civil. O ministério dispõe das diretrizes e os professores e mediadores da leitura têm que cobrar e contribuir”, completou. 
 
Ninfa Parreiras também abordou o tema e chamou atenção para a importância da efetivação do Plano Nacional do Livro e da Leitura. “Deve haver um compromisso dos cidadãos e autoridades com a leitura e o livro. O projeto de um país pela leitura é um direito de todos”.
 
O evento prosseguiu com as discussões em grupos de trabalho, sobre a “Democratização do acesso e desenvolvimento da economia do livro” e a “ Valorização institucional da leitura e incremento de seu valor simbólico”.  Ao final do encontro, houve um painel com a apresentação das conclusões dos grupos. 
 
Escolas participantes do “Concurso Escola de Leitores” realizaram momentos literários e de leitura pública encantando aos presentes.

 

Um projeto Sinduscon RN e IDE.

Observatorio da Educação (c) 2012 - Todos os os direitos reservados